Em Linhas Gerais: Um maremoto está em formação para tragar políticos tradicionais nas eleições de 2018

Gessi Taborda

Publicada em 08 de November de 2016 às 08:24:00

Gessi Taborda – getaco@gmail.com

FILOSOFANDO

“Está comprovado: a corrupção é vista pela primeira vez como o maior problema do país e isso faz com que os cidadãos, em qualquer urbe, se mantenham cada vez mais de olhos abertos. E isso, podem anotar, não permitirá que os políticos tenham um clima de maré mansa em 2018.” Gessi Taborda (1951), jornalista com passagem por várias redações, colunista do Alto Madeira e analista e consultor político.

REPERCUSSÃO

Se alguém tem dúvidas sobre o maremoto em formação para tragar políticos tradicionais de Rondônia na refrega eleitoral de 2018, quando irá acontecer a disputa pelo governo estadual e pelas cadeiras no Legislativo (federal e estadual) é melhor ver a reação do público ao artigo “A visita do Ministro e o Culto à Mediocridade”, do jornalista Arimar Souza de Sá, retratando a festa de inauguração da “rampa” (ou, como querem os políticos, a segunda pista do “viaduto” do Roque) de uma obra que continua ainda fazendo parte da manada de elefantes brancos deixadas de herança pela falecida gestão petralha.

O DESCARAMENTO

Graças à foto (que se pretendeu histórica) mostrando os alegres Valdir Raupp bem ao lado do deputado federal Nilton Capixaba e este ao lado de Marinha Raupp; tendo ainda outras figuras de proa como Ivo Cassol e o governador Confúcio Moura, todos comemorando a inauguração daquele arremedo de viaduto pelo ministro dos transportes, Maurício Quintela. O artigo publicado por Arimar recebeu centenas de manifestações populares deplorando “a foto do descaramento” e apoiando o corajoso texto do jornalista e advogado que se confessou perplexo com a coragem dos políticos. Também pudera! Fazer uma festa com a presença do ministro para inaugurar uma simples via duplicada do elevado “que nem está definitivamente pronto”, depois de mais de uma década de paralisação, não pode ser outra coisa senão um descaramento diante do povo.

VERGONHÓDROMO

Diante da fauna política tentando tirar vantagens na tardia inauguração de uma obra que, mesmo inacabada já está simplesmente ultrapassada diante das exigências viárias da capital rondoniense, tudo registrado em fotos com esses personagens caricatos da política local, certamente o tal elevado do Roque deveria ser chamado a partir de agora de “Vergonhódromo de Porto Velho”. Pode ser que alguém considere esse nome mais apropriado para outra enorme enganação do governo do estado, o tal “Espaço Alternativo”. 

O ADEUS

Sinceramente esta é uma nota que jamais gostaria de publicar. Lá se foi o amigo e companheiro por longa data, o jornalista Marco Antero Soter. Por ter sido em vida um sujeito de sangue bom, um ótimo escriba, certamente estará na formação da plêiade dos jornalistas de qualidade de Rondônia que neste momento rodeiam o trono do Criador.

PERU

Muitas coisas da para se falar desse país de paisagens verdadeiramente cinematográficas, tanto no seu altiplano, nas regiões da Cordilheira dos Andes e na sua Amazônia fronteiriça com o Brasil. Retorno da viagem com a certeza de que o Peru tem muito a contribuir com o Brasil, principalmente com exemplos da integridade de seu povo que não abandona suas raízes históricas e suas ligações espirituais com a cultura pré-incaica. 

Quando você pode ver de perto soluções simples e práticas de cidades como Puerto Maldonado, fica fácil constatar que Porto Velho não avançou nada em ações para o desenvolvimento do turismo (não fomos capazes sequer de inovar no quesito, só para citar um, dos mototáxis que em Maldonado se integra ao turismo, por sua originalidade), da implantação da fruticultura ou na preservação de nossa riqueza ecológica.

INEXISTE

O governo Confúcio Moura é um falastrão, especialmente quando resolver praticar o pistacídeo no seu blog particular sobre métodos e meios de gestão. Ele bem gosta dessas perorações quando o assunto é segurança, algo que praticamente nem existe nos tempos atuais. O governo do PMDB é responsável pelo aumento da deficiência desse segmento. O reflexo dessa realidade está visível no aumento dos assaltos, dos homicídios por todos os estados. 

Nessa semana a violência cometida por marginais e quadrilhas organizadas começou no sul do estado, onde um integrante do clã Donadon acabou se tornando vítima e chegou à capital. Em Porto Velho mais uma vez os marginais agiram com crueldade, baleando uma PM que reagiu ao assalto.

DESORIENTADO

O governo Confúcio é um admirador do estilo da caserna, mas parece não saber orientar o segmento de combate ao crime. 

A política de segurança pública vai sendo conduzida como convém ao governador e não como deseja o cidadão-contribuinte-eleitor. E quando se trata de segurança nos municípios, o que se verifica é que ela existe desconectada de uma política para o combate à criminalidade. Há casos de vários municípios sem a presença da autoridade policial e sem os recursos necessários para a atuação dos membros da Segurança Pública.

DEVASSA

O prefeito Hildon Chaves se comprometeu durante a campanha a requerer uma “tomada de contas” especial por parte do TCE, visando aferir a realidade como verdadeiramente está a situação da prefeitura de Porto Velho, ou seja, o tipo de herança a ser colocada em suas mãos pelo gestor derrotado Mauro Nazif. A promessa não pode ser deslocada para o baú das providências não prioritárias, como fez o (ainda) o prefeito Mauro em relação ao seu antecessor petista.

DONO

Mauro – que nem apareceu na “inauguração” do elevado do Roque – levou sua gestão municipal como se fosse o dono da cidade e colocou seu próprio irmão como homem forte da administração municipal Há todo tipo de informes sobre métodos utilizados que traiam os princípios republicanos. 

É preciso que as providências prometidas por Hildon durante a campanha sejam efetivadas, não como uma mera vingança, mas como um abrir de cortinas sobre supostas camuflações da contabilidade em favor de prestadores de serviços e empresas contratadas sem maior clareza para serviços de coleta de lixo, transporte urbano e vai por ai afora. É difícil acreditar que não haja, atrás das cortinas, uma imensa podridão na gestão que finalmente chega ao fim.

CUIDADO

Hildon Chaves esteve na alça de mira, durante a campanha, dos “comunicadores” de aluguel. Sofreu não simples críticas, mas ataques pessoais à sua honra, inclusive com calúnias que certamente deixaram marcas indeléveis em sua família. 

O novo prefeito não deve dar o beneplácito do esquecimento aqueles sites/colunistas que sempre aceitaram o papel de aloprados, cooptados e aparelhados. Azar deles se mais uma vez fizeram o papel de burros úteis dos “caciques” partidários e políticos. Cobra, como dizia meu avô Valdevino Taborda, se mata no ninho.

APAVORADOS

É cada vez maior o número de trabalhadores do estado sindicalizados no Sintero apavorados com o enorme índice de reajuste do plano de saúde. Tem muita gente temendo não conseguir mais pagar o tal plano, diante das cobranças às vezes superiores ao rendimento que cada servidor do segmento da Educação está recebendo do Estado. 

Há muitos sindicalizados imaginando que a tal Asper – entidade do Sintero – não é outra coisa senão uma comercializadora de Plano de Saúde onde o único objetivo é manter o lucro crescente. Certamente alguma autoridade pública do Controle Externo precisa dar uma checada no acontece naquela zona cinzenta onde a imensa classe do magistério deixa o seu suado dinheiro.