04/01/2017 - 12h02min - Atualizado em 04/01/2017 - 12h02min

“Mutualidade e assintonia”, por Andrey Cavalcante

“Pensar é fácil, agir é difícil, e colocar os pensamentos em ação é a coisa mais difícil do mundo”. A máxima de Goethe não encontra, lamentavelmente, correspondência na realidade brasileira.

“Pensar é fácil, agir é difícil, e colocar os pensamentos em ação é a coisa mais difícil do mundo”. A máxima de Goethe não encontra, lamentavelmente, correspondência na realidade brasileira. É fácil, por aqui, colocar pensamentos em ação quando o que está em jogo são interesses corporativos. Mas observa-se, porém, a extrema dificuldade de superar a assintonia entre o que é preciso fazer em benefício do país – e da população – e aquilo que efetivamente se faz fora dos palanques ou longe dos holofotes da mídia. Exemplo dessa discrepância entre o que recomenda o pensamento voltado para a superação das imensas dificuldades nacionais e aquilo que de fato é produzido nos gabinetes é a nova lei de custas judiciais – de iniciativa do Tribunal de Justiça de Rondônia, aprovada pela Assembleia e sancionada pelo Executivo – que passou a vigorar dia primeiro, como um choque de realidade aplicado sobre as esperanças de dias melhores que emolduram o alvorecer do novo ano. Não há como não considerar equivocada, inoportuna e intempestiva a medida num momento em que a sociedade espera das autoridades exemplos de mutualidade para além do mero exercício do dever em nossa precariedade conjuntural.

É claro que o cidadão poderá, mais uma vez, contar com a atenta vigilância da OAB contra esta assimetria entre as dosagens de sacrifício exigidas da população nesse verdadeiro esforço de reconstrução do país e aquilo que é imposto por poderes estaduais descomprometidos com a realidade. A nova lei de custas não é apenas inconstitucional: é irrazoável e desproporcional. A OAB Rondônia já ajuizou, através da Procuradoria Jurídica do Conselho Federal, Ação Direta de Inconstitucionalidade no STF contra a medida, que foi distribuída à ministra Rosa Weber. O presidente Cláudio Lamachia já manteve encontro com a ministra para a apresentação de nossos memoriais e ela manifestou disposição de acelerar o julgamento do mérito. Tanto que já pediu e recebeu manifestações da Assembleia, do TJRO e AGU, faltando apenas parecer da PGR, onde pretendemos ajustar pedido de preferência ainda esta semana.

A questão afeta não apenas os advogados, mas a sociedade como um tudo, uma vez que limita o acesso à Justiça, especialmente em um momento dramático de crise econômica sem precedentes desemprego recorde. Temos, felizmente, nessa luta, o fundamental e decisivo apoio do presidente Cláudio Lamachia, além da reconhecida competência constitucional da OAB nacional. É importante esclarecer que não nos posicionamos contra este ou aquele poder, mas em defesa do cidadão e do pleno acesso à justiça, tolhido nesse contexto. Chama, contudo, a atenção a falta de sintonia entre as ações no âmbito da União e na esfera estadual: enquanto o parlamento nacional aprova, com um imenso esforço, o chamado teto dos gastos, por aqui a lei 3396/2016 impõe o reajuste das custas judiciais. Ou seja: todo esforço é válido para a recuperação econômica do país, desde que com o sacrifício alheio.

Em que pese os questionamentos levantados pela OAB Rondônia durante a tramitação do processo tenham sido classificados como sem “estofo para barrar o trâmite natural da lei” pelo TJRO, não é o que pensa a respeito a população indignada. Especialmente em função das inconstitucionalidades, excessos, falta de razoabilidade e proporcionalidade existentes no projeto. Todas as ponderações foram elencadas em ofícios encaminhados aos deputados rondonienses dias antes da votação. Foi apresentada uma análise formal que chamou a atenção para os problemas decorrentes da aprovação da proposta. A OAB Rondônia manifestou, de forma direta, que o projeto iria dificultar e, inclusive, desestimular ainda mais, por questões econômicas, o acesso à Justiça, previsto no artigo 5°, da Constituição Federal, e o Devido Processo Legal Substancial.

Como não conseguimos sensibilizar as autoridades rondonienses, não restou alternativa a não ser levar a questão ao Conselho Federal da OAB, que aprovou, por unanimidade, o ajuizamento da ADI Supremo Tribunal Federal (STF). É importante salientar que já tramita no STF a Ação Direta de Inconstitucionalidade 4186, da OAB, para contestar vários incisos e parágrafos dos artigos 6º e 7º da atual Lei 301 de 1990, do Estado de Rondônia. Tais dispositivos já haviam instituído um regime de excessivas custas judiciais e em valores percentuais que oneram de forma desproporcional o custo de acesso à Justiça por parte do cidadão. Agora, temos mais obstáculos ainda.

Embora reconheçamos a excelência do nosso Judiciário, em tempos de crise e, por consequência, contingenciamento, fica difícil ao cidadão entender o aumento das custas para o acesso à Justiça. Diante do interesse público primário envolvido na questão, posto que o reajuste afeta diretamente o jurisdicionado/contribuinte, não poderia a OAB Rondônia deixar de se manifestar. “São tempos difíceis de reiteradas tentativas de transferência de responsabilidades ao cidadão, obrigado a suportar o fenômeno da erosão do sentimento constitucional em detrimento até mesmo de um mínimo existencial” – observa a vice-presidente da Seccional, Maracélia Oliveira. Um raciocínio objetivo, endossado pelo procurador jurídico da OAB/RO Moacyr Pontes Netto, para quem onerar ainda mais o cidadão, especialmente em tempos de absoluto crescimento do desemprego, do endividamento e da pobreza é uma alternativa inoportuna e que não privilegia a Supremacia do Interesse Público Primário.

 

FONTE: Andrey Cavalcante, presidente da OAB/RO

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


Avatar de FABIO S CARVALHO

Postado por FABIO S CARVALHO em 04/01/2017 às 15:16

Falou o salvador da pátria. O juiz que defende advogados marginais custe o que custar so pra ganhar alguns votos na presidência.

66.249.85.27

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 09:39:00

Feriados regulam o funcionamento da Justiça do Trabalho em RO e AC de 20 a 24 de janeiro

Os jurisdicionados da Justiça do Trabalho nos estados de Rondônia e Acre devem ficar atentos para feriados estaduais e municipais que irão nortear, do dia 20 a 24 de janeiro de 2017.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 09:00:00

OAB/RO promove palestra “Cidade e Desenvolvimento”, nessa segunda-feira (23)

A atividade, que visa a discussão dos estudos em inovação de tecnologias para desenvolvimento urbano, será ministrada pelo pesquisador Benxiang Zeng, da Charles Darwin University (Austrália), com início às 9h, no Plenário da OAB/RO.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 08:36:00

Atendendo OAB/RO, Superintendência de Ministério garante atendimento digno a advogados

A ação, solicitada à Central de Atendimento ao Servidor (CAS) da SAMP/RO, objetiva garantir o respeito às prerrogativas dos advogados em relação a atos normativos e condutas.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 08:34:00

“Coach na Advocacia” é tema de palestra na Subseção de Guajará-Mirim

O evento conta com o apoio da Caixa de Assistência dos Advogados de Rondônia (Caaro).

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 08:31:00

XXI Exame de Ordem: OAB realiza prova prático-profissional neste domingo (22)

A Seccional Rondônia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RO) divulga os locais de prova da 2ª fase do Exame de Ordem Unificado...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 08:28:00

Advogados têm até dia 31 para pagar anuidade da OAB/RO com desconto de 15%

O diretor tesoureiro da OAB Rondônia, Fernando Maia, conclama a classe a aproveitar os descontos especiais para pagamento da anuidade em cota única e lembra que o regular pagamento das anuidades é essencial ...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 21/01/2017 ás 07:32:00

Defensores públicos buscam solução para a crise penitenciária no Brasil

A discussão foi acerca de qual seria a melhor forma para contornar a crise nos presídios brasileiros.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/01/2017 ás 09:23:00

Teori Zavascki foi ministro do STF por quatro anos

Teori Zavascki tinha 68 anos. Nasceu em 15 de agosto de 1948, em Faxinal dos Guedes (SC). Viúvo desde 2013, ele deixa três filhos.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/01/2017 ás 21:13:00

NOTA DE PESAR DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO ESTADO DE RONDÔNIA – AMERON PELA MORTE DO MINISTRO DO STF TEORI ZAVASCKI

Homem de sólido caráter e indiscutível saber jurídico, destacava-se pela retidão com que sempre conduziu processos de sua responsabilidade, notadamente pela discrição no exercício da judicatura.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/01/2017 ás 20:42:00

Senado precisará confirmar indicação de substituto de Teori Zavascki

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) é a responsável por analisar as escolhas de novos ministros do STF.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2017 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com