04/11/2016 - 09h35min - Atualizado em 04/11/2016 - 09h35min

Plano de saúde não pode limitar bolsas de sangue utilizadas em procedimentos médicos

O colegiado manteve acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que também havia julgado abusiva a prática adotada por associação sem fins lucrativos.

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou ilegal a inserção em contrato de plano de saúde de cláusula que limita a utilização de bolsas de sangue em tratamentos médicos. O colegiado manteve acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que também havia julgado abusiva a prática adotada por associação sem fins lucrativos.
 
A ação civil pública que originou o recurso foi proposta pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP) contra a Associação Auxiliadora das Classes Laboriosas. Segundo o MPSP, a associação teria limitado o fornecimento de bolsas de sangue utilizadas na internação de um paciente conveniado — dos 25 recipientes de sangue necessários em intervenção cirúrgica, apenas quatro teriam sido financiados. 

Em primeira instância, o juiz declarou a nulidade da cláusula inserida nos contratos da associação que limitava a cobertura de bolsas de sangue em tratamento médico-hospitalar de conveniados, familiares e dependentes. O magistrado também impôs indenização genérica no valor de R$ 50 mil. 

A sentença foi mantida pelo TJSP, que considerou abusiva a atitude da associação ao compelir os associados a arcarem indevidamente com os custos do sangue adicional. 

Filantropia

No STJ, em recurso especial, a associação alegou ser entidade filantrópica, sem fins lucrativos. Além disso, afirmou que as decisões referentes aos planos de saúde oferecidos aos conveniados são tomadas nas assembleias, com a participação de todos os associados, sendo inaplicável ao caso a Lei 9.656/98 (legislação sobre planos privados de assistência à saúde).

Por consequência, a entidade associativa afirmou que os contratos firmados entre as partes não configuram prestação de serviço, pois a relação formada é de mutualidade, com o estabelecimento de direitos e deveres.

O ministro relator do recurso, Luis Felipe Salomão, esclareceu inicialmente que os planos de saúde constituídos sob a modalidade de autogestão caracterizam-se como aqueles típicos de empresas, sindicatos ou associações ligadas a trabalhadores, que administram seus próprios programas de assistência médica. 

No entanto, ao administrarem planos de saúde e assistência médica hospitalar privada, também essas associações estão submetidas às regras estabelecidas pela Lei 9.656. 

Contratos existenciais

O ministro Salomão salientou, ainda, que a exclusão da cobertura de determinado insumo ou medicamento indicado pelo médico para tratamento da enfermidade pode significar a negativa da própria essência do tratamento, desvirtuando a finalidade do contrato de assistência à saúde. 

De acordo com o relator, seguindo um raciocínio já consolidado no STJ, não é possível deixar de reconhecer a ilegalidade de cláusula estatutária que limita o número de bolsas de sangue em intervenção coberta pelo plano, pois “complicações de naturezas diversas podem surgir por circunstâncias imprevistas”.

Salomão também lembrou que contratos relacionados à assistência à saúde são classificados como existenciais, pois têm como objeto bem de natureza essencial à manutenção da vida. Nesses casos, concluiu o relator, “o atributo econômico, presente em qualquer relação negocial, pode e deve sofrer ponderações razoáveis em face do valor da vida humana”.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): REsp 1450134

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 17:02:00

STJ anula pena de usuário de droga condenado a sete anos de prisão

A discussão sobre a descriminalização do porte de drogas deve ter fim somente após decisão definitiva de outra Corte, o Supremo Tribunal Federal (STF).

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 16:56:00

Decretado luto oficial no Judiciário

Sendo assim, as bandeiras, durante esse período, serão hasteadas a meio mastro nas unidades do Judiciário de Rondônia.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 13:14:00

OAB/RO aprova criação da Comissão de Defesa e Proteção de Animais

Um dos motivos alegados para a criação é a questão que envolve maus tratos aos animais, seres que gozam de sentimentos cientificamente comprovados.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 13:12:00

Semana da ESA: programação conta com uma palestra em Porto Velho e três no interior

Em Porto Velho, os advogados poderão assistir à palestra “As Novidades da Lei 3.896/2016 (A Nova Lei de Custas de Rondônia)”, ministrada pelos especialistas Vinicius Lemos e Guilherme Pignaneli.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 13:06:00

Plataforma BID disponibiliza acesso a acervo jurídico para advogados de Rondônia

Segundo o presidente da OAB/RO, Andrey Cavalcante, oferecer benefícios e gerar conhecimento aos advogados são prioridades da gestão.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 13:01:00

Transexual pode remover barba pelo SUS, diz decisão premiada

Com base em pareceres médicos, um transexual garantiu, na Justiça, o direito de realizar depilação a laser de pelos da face na rede pública de saúde.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 12:57:00

Sentença que pune policiais por tortura ganha prêmio de direitos humanos do CNJ

O concurso premiou sentenças que protegeram os direitos de vários segmentos da população, como crianças, imigrantes e refugiados, entre outros.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 12:42:00

CNJ Serviço: como são enquadrados os diferentes crimes de homicídios

O Brasil ocupa atualmente o primeiro lugar no ranking mundial de homicídios, com o registro de mais de 59 mil assassinatos em 2014.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 12:29:00

Mais de 200 pessoas participam do Simpósio sobre Cidadania e Diversidade Sexual em Ariquemes

O evento teve como objetivo promover um amplo debate com a sociedade, visando combater a violência decorrente de preconceito/discriminação.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 20/02/2017 ás 08:37:00

OAB/RO lamenta morte do desembargador aposentado Cassio Sbarzi Guedes

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia (OAB/RO) manifesta seu luto e pesar pela morte do desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) Cássio Sbarzi Guedes.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2016 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com