03/01/2017 - 22h36min - Atualizado em 03/01/2017 - 22h36min

A esperança é a última que não morre

Candido Ocampo

            Ao perder toda a esperança, o ser humano torna-se um morto-vivo. Não por acaso, Dante Alighieri, no poema Divina Comédia, inscreveu no vestíbulo do inferno: “Ó, vós que entrais, abandonai toda a esperança”.

            Num país onde, após 516 anos, quase dez por cento da população é formada por analfabetos absolutos (não sabe ler nem escrever), e pouco menos da totalidade do restante de seus habitantes lê e escreve, mas não entendem nada (¾ de analfabetos funcionais - vide os dados do último Pisa, o exame mundial do ensino, da OCDE), onde, portanto, a ignorância é quase uma cláusula pétrea, manter a esperança não é algo simples.

            Toda passagem de ano há uma inexplicável (quase ingênua) renovação de nossas esperanças. Esquecemos que há - e há muito – o que avançarmos.

Na esfera pública, nossas instituições padecem do mesmo mal daqueles que a integram: ausência de espírito republicano. O personalismo – uma herança ibérica - que permeia nossa cultura governamental não permite que as estruturas de Estado mantenham seu curso natural, como em qualquer sociedade moderna.

            O Estado brasileiro virou refém de corporações de interesses, sobretudo aquelas formadas pelos grandes grupos econômicos e de servidores públicos.

A Operação Lava-Jato expôs as mazelas de nossa plutocracia. A caixa-preta da corrupção público-privada estar sendo desvendada, e, mais do que isso, desmontada; ao menos na sua parte mais perversa: a que privava - e ainda priva - os brasileiros de recursos absolutamente indispensáveis às mais elementares necessidades que devem ser providas pelo Poder Público (saúde, educação, segurança)

       Contudo, outra caixa-preta - ainda mais preta, porque é imoralidade revestida de legalidade - há que ainda não foi aberta. O Estado brasileiro tornou-se hospedeiro e subserviente das mais diversas classes de servidores públicos.

            Principalmente no Judiciário e Legislativo, os supersalários são uma chaga que envergonha a nação. O impávido Ministério Público, que, segundo nossa Constituição, é o paladino da ordem jurídica, faz olhos-cegos ao tema, pois grande parte de seus integrantes, mormente dos estados, são agraciados com vencimentos que ultrapassam, e muito, o teto constitucional. O mesmo ocorre com os juízes.

            Engendram terminologias das mais diversas para escamotear o limite legal. Pletoram em seus contracheques adicionais de toda ordem: de ajuda de custo; de auxílio paletó; de auxílio-moradia (mesmo para os que têm casa própria); de auxílio-creche; auxílio-saúde; auxílio-locomoção...enfim, é uma festa, só que com dinheiro da população.

            Esses privilégios, dentre tantos outros, para a desgraça da sociedade brasileira, se estendem para muitas outras categorias funcionais. 

            O sistema previdenciário do setor público só não deixou de pagar os seus beneficiários porque é público, pois, deficitário desde sempre, vive à custa de aumentos sucessivos de impostos, único meio que os governos estaduais e federal encontram para pagar aposentados com cinquenta anos de idade. 

            Inverteu-se a ordem natural das coisas: aqueles que deveriam servir são servidos pelo Estado.

              Sejamos francos. Não dá para acreditar em um país onde um magistrado, quando comete algum delito funcional, é “punido” com aposentadoria compulsória, sem perder o salário. Não dá para acreditar em um país onde os senadores indicam seus suplentes (geralmente um cúmplice). Não dá para acreditar em um país onde o Ministério Público (o paladino) leva sete anos para denunciar o presidente do Senado e, o Supremo Tribunal Federal, mais três anos só para receber a denúncia. Não dá para acreditar em um país onde um balconista da Justiça do Trabalho ganha mais do que um médico e/ou professor da rede pública. Não dá para acreditar em um país onde a sua polícia mais prestigiada (a PF) mantém em seus quadros um funcionário condenado definitivamente pela Justiça por desvio de conduta (o japonês) e, por ironia, ainda continua escoltando corruptos. Não dá para acreditar em um país onde os seus cidadãos insistem em eleger políticos com reputações pra lá de duvidosas. Não dá para acreditar...

              É; não dá para acreditar. Mas, para nós, idiossincráticos brasileiros, para ter esperança, não precisamos acreditar.

            Cândido Ocampo, cidadão rondoniense.     

“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante. Mas, aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso” (do dramaturgo e poeta alemão Bertholt Friedrich Brecht).

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


Avatar de PAULO ROGERIO JOSE

Postado por PAULO ROGERIO JOSE em 04/01/2017 às 07:59

Amigo Cândido, concordo contigo. Mas, desde 1500 não tivemos democracia e depois de 1988 o estado democrático de direito é pleno, assim, tudo que vemos hoje sempre existiu, mas agora é plenamente divulgado, prisões de pessoas importantes é real. Para quem passou pelo período da ditadura, como eu, sabe que estamos vivendo o melhor dos mundos. Dr Cândico leia o artigo EM 1917 de Roberto Pompeu de Toledo, Revista Veja, de 28 de dezembro de 2016, relato histórico desse ano emblemático ha 100 anos. ABs

177.1.97.116

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
GERAL | matéria escrita em 22/02/2017 ás 11:13:00

Após tentativa de censura a livros didáticos, prefeito e vereadores de Ariquemes são processados

Censuraram livros e estimularam a homofobia: Município de Ariquemes, o prefeito Thiago Flores e sete vereadores estão sendo processados pelo Ministério Público Federal (MPF) e Estadual (MP/RO) em uma ação civil pública.

POLíTICA | matéria escrita em 22/02/2017 ás 10:17:00

Dr Hildon Chaves diz que principal legado que deixará é gestão eficiente

Prefeito diz que encontrou estrutura organizacional "subsaariana" na prefeitura.

GERAL | matéria escrita em 22/02/2017 ás 10:12:00

Programa para fazer declaração do IR estará disponível nesta quinta-feira

A declaração é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70; quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil...

GERAL | matéria escrita em 22/02/2017 ás 10:11:00

Receita pedirá e-mail e número de celular na declaração de IR deste ano

A partir das 9h de amanhã (23), o programa de geração da declaração já poderá ser baixado pela internet e o envio será liberado a partir das 8h do dia 2 de março.

POLíTICA | matéria escrita em 22/02/2017 ás 09:34:00

Em Linhas Gerais-Gessi Taborda

Deixaram a cidade na margem do perigoso abismo.

POLíTICA | matéria escrita em 22/02/2017 ás 09:22:00

Câmara tipifica crime de exposição de fotos íntimas na internet

Para o autor do projeto, a Câmara está ajudando a fazer justiça com as mulheres que são violentadas com a divulgação de imagens de sua intimidade.

GERAL | matéria escrita em 22/02/2017 ás 09:19:00

Prefeitos do Cone Sul de Rondônia recebem recomendação do MPF/RO

Órgão orienta novos prefeitos a não cometerem atos ilícitos por inexperiência na gestão municipal.

POLíTICA | matéria escrita em 22/02/2017 ás 09:17:00

Deputado Lúcio Mosquini comemora suspensão da importação de café robusta

A importação de café do Vietnã poderia trazer graves prejuízos aos produttores rondonienses, além dos riscos sanitários.

POLíTICA | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:24:00

Vereador chama deputado estadual de preguiçoso e falastrão

Valdemir Caldas

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:22:00

Para Cármem Lúcia, todos os promovidos por merecimento devem mesmo merecer

Segundo a ministra, nas promoções por merecimento na magistratura brasileira, é preciso reduzir tanto quanto possível o voluntarismo – ou seja, a escolha de magistrados sem fundamento em critérios objetivos.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:20:00

Tribunal admite primeiro incidente de assunção de competência em recurso especial

O relator do recurso, ministro Marco Aurélio Bellizze, propôs a assunção de competência para que o caso seja julgado na Segunda Seção.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:17:00

2ª Turma: Compete à Justiça Federal julgar ação sobre licença-prêmio a juiz do Trabalho

No caso dos autos, um juiz do Trabalho vinculado ao Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) ajuizou a ação contra a União perante a Justiça Federal e fundamentou seu pedido de licença-prêmio com base na simetria entre a sua carreira...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:14:00

1ª Turma: ICMS com base reduzida não gera crédito

Segundo o tribunal de origem, está em jogo o regime de tributação favorecido às empresas prestadoras de serviço de transporte consistente na redução da base de cálculo para o percentual de 80%...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:13:00

2ª Turma rejeita recurso e determina abertura de ação penal contra Gleisi Hoffmann e ex-ministro Paulo Bernardo

A Turma recebeu denúncia em julgamento realizado em setembro do ano passado, a fim de investigar na possível destinação de R$ 1 milhão de origem ilegal para a campanha da senadora em 2010.

POLíTICA | matéria escrita em 22/02/2017 ás 08:05:00

Deputado Cleiton Roque disponibiliza R$ 45 mil para a Asejur

Veículo ajudará a Associação de Jovens e Estudantes Rondônia a acompanhar os jovens aprendizes.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2017 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com